Ads Top

ENTREVISTA | Tania Nardini fala sobre a carreira e a experiência de dirigir 'Chicago' em várias partes do mundo


Há 20 anos, a diretora e coreógrafa Tania Nardini trabalhou com os mais importantes produtores, atores e diretores de teatro e televisão do Brasil. Esteve a frente da direção dos espetáculos 'Priscilla - A Rainha do Deserto' e 'Nuvem de Lágrimas, O Musical', além de ser coreógrafa e diretora associada nas produções 'O Rei e Eu' e 'West Side Story', esteve a frente da coreografia de 'Raia 30' e 'Cauby! Cauby! Uma Lembrança'.

A diretora e coreógrafa que aceitou o convite de conversar com nossa equipe começou a entrevista nos contando sobre como o teatro entrou em sua sua vida: "O 'TEATRO' sempre fez parte da minha vida; aos 4 anos já dançava no Teatro Municipal do Rio de Janeiro com o Ballet Moderno Enid Sauer; aos 17 entrei para a faculdade de teatro na UNIRIO; aos 23 fui trabalhar como atriz e preparadora corporal na Cia de Teatro 'Teatro em Movimento',  hoje 'Cia Ensaio Aberto'; fiz algumas peças de teatro, alguns musicais e novelas como atriz".

Sobre o processo para se tornar diretora, Tania relembra o começo de sua carreira foi fundamental na caminhada para se tornar diretora, "dirigi uma cia de dança com meus irmãos por 10 anos, dirigi 3 espetáculos infantis e fui assistente de direção / diretora assistente de Marco Nanini, de Flavio Marinho, de Jorge Fernando, de Guel Arraes, de Joao Falcao... em vários espetáculos de teatro e de musicais; este período como assistente de direção; diretora assistente; co-diretora, acredito ter sido a melhor trajetória para me tornar diretora!". Então, fala sobre os grandes espetáculos musicais, "depois disso, ainda fui diretora residente de 4 grandes espetáculos da Broadway, diretora associada de Jorge Takla, coreografa em 4 grandes musicais produzidos no Brasil, além de dirigir e coreografar o musical brasileiro 'Nuvem de Lágrimas'."

Tania Nardini com o elenco de “O Grande Circo Místico”, durente os ensaios em 2014.

Tania compartilha ainda a sua admiração por Marcos Nanini, "é um ator excepcional e um profissional impecável, estar tão próxima dele ocupando funções diferentes por quase 10 anos, foi uma universidade", ela finaliza a pergunta falando sobre sobre o seu amor pelo teatro "eu realmente amo o fazer teatral e tudo o que é relacionado a teatro, adoro ensaios técnicos, adoro luz, cenário, figurino, contraregragem, maquinaria... e adoro uma estória bem contada!"

Desde 2007, Tania esteve conquistando um espaço ainda maior no mercado internacional do Teatro Musical, quando se tornou diretora responsável por todas as montagens do espetáculo "Chicago" em qualquer parte do mundo. Ela esteve nos contando com detalhes como foi esse processo e sua relação com essa produção: "em 2004 tivemos em São Paulo a montagem de Chicago, o Musical; nesta montagem eu fui diretora residente (além de cover de Mama e Velma); 3 anos depois, 2007, recebi uma ligação do diretor associado desta montagem, Scott Faris, me perguntando se poderia ir montar o espetáculo em Seoul, na Korea... Claro que fiquei muito honrada, mas também apavorada, afinal era uma grande responsabilidade. Fui a NY me reunir com ele e com o escritório responsável pelas produções internacionais e 2 meses depois estava começando esta nova aventura que continua me levando a lugares incríveis, para conhecer e trabalhar com atores do mundo inteiro." Então, a diretora fala sobre os lugares que já levou esse grande sucesso da Broadway, "Desde 2007 já fiz 8 montagens na Korea, além disso já dirigi Chicago, The Musical em Tokyo, em Buenos Aires, em Moscow, em Stuttgart, Berlin e Munich, em Copenhagen, 3 vezes na Inglaterra (UK-tour). Este ano, já fiz West End e mais uma vez em Seoul, e ainda vou dirigir o elenco da Africa do Sul que começa uma turnê internacional em agosto e o elenco francês que estreia em Paris em setembro."

Ruthie Henshall e Tania Nardini nos ensaios de CHICAGO em West End. Foto: Tristram Kenton


Aproveitando a oportunidade perguntamos sobre como ela interpreta a forma brasileira de fazer e dirigir teatro comparado aos outros países pelo qual esteve passando e ela responde: "Hmmm acho que a diferença é só cultural...  O teatro sendo uma atividade essencialmente coletiva, tem a capacidade de unir..." Tania compartilha o seu grande desafio quando chega em um novo país, com cultura e mercado diferente, "é descobrir como tocar o coração dos atores para que eles se sintam respeitados e se sintam confiantes para se apropriarem da história a ser contada e assim serem capazes de tocarem o coração do publico."

Sobre ter trabalhado na Coreia, Tania conta: "Os Koreanos são pessoas incríveis. Artistas talentosérrimos e muito disciplinados; equipe artística e técnica super competentes! Trabalhar com eles é sempre um prazer. A sala de ensaio esta sempre pronta, o elenco esta sempre pronto! Adoro!!!! E são pessoas muito carinhosas e do bem! Tendo ido a Korea 8 vezes me sinto em casa. Tenho amigos de verdade la!"


Chicago é um sucesso absoluto, em cartaz na há 21 anos e esteve no West End por 15 anos e agora está de volta, com Tania Nardini como responsável pela direção da montagem, ela fala "foi um prazer e uma honra enorme. Todo o elenco, com exceção do Cuba Gooding Jr., já havia feito o espetáculo em algum momento, no West End, ou num dos UK tours; como Paul Rider que foi Amos há 10 anos e Sarah Soetart que foi a ultima Roxie no West End  e minha Roxie no China Tour em 2014 e alguns com personagens diferentes como a Ruthie Henshall que foi a Roxie original no West End, depois foi Velma e nesta montagem foi minha Mama!" 

Aproveitamos para perguntar sobre como foi a experiência de trabalhar com Cuba Gooding Jr.: "Foi um sonho! Ele é um ator que apesar da fama, do Oscar e de tudo o que isso envolve, tem um enorme respeito pela obra, pelos colegas; além disso por ser um ator essencialmente de cinema, ele teve um olhar e uma atitude de criança descobrindo um mundo novo: o Teatro. Foi muito lindo acompanhar a trajetória dele ao criar um personagem que teria que estar fresco e vivo 8 vezes por semana e não só no dia da filmagem... foi uma honra ajuda-lo a encontrar as verdades, os impulsos... Foi incrível!"

Finalizamos a entrevista perguntando para Tania Nardini quais são as suas referências de teatro musical dentro do nosso país e espetáculos feitos aqui que surpreenderam ela: "Ai que pergunta difícil!!!! Tenho muito orgulho de ter sido diretora associada dos espetáculos My Fair Lady, West Side Story, O Rei e Eu e Evita, todos clássicos da Broadway, mas que foram totalmente criados e realizados por brasileiros, técnicos e artistas. Também adorei ter tido a honra de dirigir o musical Nuvem de Lágrimas, que apesar de ser uma livre adaptação de um texto clássico inglês foi transportado para a raiz da nossa cultura e de novo com artistas e técnicos brasileiros super talentosos. Tenho muito respeito e muita admiração pelo trabalho do Núcleo Experimental, de Zé Henrique de Paula, pelo trabalho da Cia Barca dos Corações Partidos e pelos espetáculos do João Falcão. Acho todos eles incrivelmente criativos e me emociono sempre."

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.