Ads Top

No Lustre Entrevista | Jade Baraldo, a nova voz do Pop Brasil


Jade Baraldo, guarde bem esse nome, pois iremos ouvir muito ainda. Filha de músicos, a catarinense de apenas 18 anos teve sua estréia no programa global The Voice de 2016, ficando no time de Michel Teló, Jade então teve ali um impulso para sua carreira.

Cantora e compositora, ela lançou recentemente seu primeiro single "Brasa" que é um sucesso nos streams, alcançando o #1 da playlist "As 50 virais do Brasil" no Spotify e no YouTube o clipe já conta com mais de 500 mil views. Dona de uma beleza exuberante, Jade nos mostra seu lado sensual e feminino no clipe, com uma voz suave ela expressa seus desejos e vontades, assumindo assim o controle da situação.


Tivemos a oportunidade de realizar uma entrevista com esse novo ícone do pop brasileiro, confira:

1. Como foi para você participar do The Voice? Como foi trabalhar com Michel Teló que tem um estilo totalmente diferente do seu?

Foi uma experiência muito boa, tenho muito carinho pelo que vivi lá. Claro que é importante tomar cuidado porque há uma superpopularidade momentânea que é muito mais ligada ao programa do que à sua arte em si. Mas sempre tem um público que perdura, e isso é maravilhoso. O Michel é uma pessoa iluminada, que transmite bondade, bom senso, equilíbrio. Gostei muito de conhecê-lo e desejo todo bem do mundo a ele e à família dele, que inclusive soube que aumentou recentemente!

2. O que te levou a preferir ser uma artista independente á trabalhar com uma gravadora?

Força das circunstâncias. Não tenho nada contra a indústria, admiro muita gente que trabalha nela, e sei que não é nada fácil o trabalho deles. Lidam com o sonho das pessoas, e num mercado que muda a cada 10 segundos. E artista não é um bicho muito fácil, né. Estava negociando há 5 meses com uma grande gravadora, mas não estava indo pra um caminho que eu achasse bom. Estou simplificando a história, mas em resumo é isso. Nesse momento específico achei que era melhor me lançar por mim mesma, sem essa estrutura da gravadora, que tem prós e contras. A situação de cada artista com uma grande gravadora é específica e pode mudar ao longo do tempo. Não guardo nenhum rancor e nem quero ser porta bandeiras de nada. Mas acho que fiz o certo e estou entusiasmada com o meu trabalho. Queria muito que tivesse dado certo com eles, mas vida que segue. 

3. Como foi para você o reconhecimento? Lá fora nós temos como exemplo a Melanie Martinez, que não conquistou a vitória no programa, porém, conquistou o coração do público, como é essa sensação de ter fãs e ver multidões cantando sua música?

A coisa mais linda pra alguém que canta ou compõe (e no caso eu também compus “Brasa”), é ver sua música entrar na vida das pessoas. As pessoas adotarem sua música, e fazerem dela uma referência para um momento de suas vidas. Não tem milhão de views de nada que supere essa certeza de que isso aconteceu. Alguns passam a vida tentando e não conseguem. Sei que consegui isso com minha primeira música, e sinto muito orgulho e gratidão por isso. Ainda me emociono quando penso nisso. E me dá muita força pra seguir em frente e mais certeza da minha missão. Mas sei que o seguimento agora é igualmente importante. Já tem um segundo single no forno e várias surpresas por aí.

4. "Brasa", que é um sucesso, diga-se de passagem,  tem uma letra de expressão feminina ao sexo, podemos dizer, uma libertação, como foi o processo de escrita? Foi inspiração, ou totalmente do seu interior?

Foi inspirada em fatos passados, e reflexões, eu assumo o papel de uma personagem e reflito sobre o desejo, suas consequências, complexidades. O desejo é perigoso, por isso essa tendência a negá-lo, reprimi-lo. A mulher acaba sendo quem paga o preço maior nessa história. Sempre foi assim. E o desejo tende a induzir uma simplificação das coisas, pro bem e pro mal. Então é basicamente a mulher, eu, Jade, me colocando na posição de objeto de desejo e aceitando de uma maneira tão radical que assumo o controle da situação, e depois deixando claro que a simplificação que aquela situação cria é uma ilusão…o quadro é bem maior que a sua moldura e você pode se perder nessa paisagem.

5. Adore Delano comentou no seu cover de "I Adore U", como foi esse momento para você?

Fiquei mais de 30 minutos pulando e gritando. Sou muito fã dela, desde 14-5 anos, I Adore U era um hino pra nós na noite no interior de Santa Catarina (hahaha). E ela comentou dizendo que era a coisa mais linda que alguém já tinha feito com uma música dela. E me seguiu em tudo: instagram, twitter. Naquela semana ela estava tuitando exclusivamente contra o Trump porque era semana de eleição nos EUA e ela deu uma trégua pra tuitar meu cover e depois botou o vídeo de capa do website dela. Eu amo essa pessoa.




6. Quais são as suas maiores inspirações?

Lady Gaga, minha rainha, penso sempre nela quando preciso de força, por exemplo antes de subir no palco sempre fecho os olhos e penso na Lady Gaga, a coragem dela me inspira muito, ela é uma artista radical, me sinto sortuda por estar viva na mesma época que ela. Lana del Rey, minha deusa, sou apaixonada pelo mistério que ela transmite, por ela conseguir "preservar o mistério da vida" quando canta, a atmosfera que ela cria, o timbre de voz, a persona, o fato de ela estar tão envolvida no processo de criação. Amy Winehouse, meu amor, a garra dela, a verdade, o canto que vem por necessidade e por isso é tão intenso e verdadeiro. Elis, meu maior exemplo como cantora de todos os tempos, cresci tentando entender como ela fazia, tentando reproduzir, pra mim ela é imbatível. E também, Sarah Vaughan, Ella Fitzgerald, sempre escuto e aprendo alguma coisa nova. Agora tenho escutado muito Chet Baker, sou apaixonada pela simplicidade e expressividade dele, pelo timbre, pela tensão suave que ele cria. E Sevdaliza, uma cantora iraniana-holandesa fora dos padrões e com muita personalidade.

7. Temos acompanhado pelas redes sociais que você parece gostar bastante de Lana Del Rey, inclusive foi uma das mais pedidas para você performar durante a sua partição no The Voice, e queremos saber se você já ouviu Lust For Life, o álbum recém lançado, e se sim, qual sua música favorita?

Claro que ouvi, comprei o álbum, tudo. Minha preferida é Summer Bummer, tem aquela atmosfera misteriosa da Lana dos velhos tempos, isso me arrepia e toca meu coração. Como a maioria dos fãs eu acho que gosto muito da fase Born To Die, mas a Lana tá tão feliz do jeito que ela tá hoje que já to começando a achar que a melhor fase é a atual mesmo! Quando ela faz live ou posta stories eu paro tudo pra ver. É sempre uma energia boa. Lana é vida.

Um comentário:

Tecnologia do Blogger.