Ads Top

Apostas para o Grammy: 6 apostas seguras e 6 possíveis surpresas

As indicações para o maior prêmio da indústria musical só serão anunciadas daqui a 6 meses, mas passados 2/3 do período de elegibilidade - no qual artistas podem lançar materiais que, futuramente, serão submetidos à acadêmia - as primeiras apostas seguras, que certamente serão indicadas nas principais categorias, e as primeiras possíveis surpresas, que devem ganhar algum reconhecimento em categorias menos disputadas, começam a pipocar em sites especializados em previsões de grandes shows, como o Goldderby. Ainda que prever indicações ao Grammy, em junho, seja atirar no escuro, neste mesmo período, em 2016, todos os indicados nas principais categorias (Álbum do Ano, Gravação e Canção do Ano) já haviam sido lançados.

NOSSAS APOSTAS SEGURAS


Pense nos maiores lançamentos, em números, desde Outubro de 2016. Possivelmente vieram em sua mente os últimos trabalhos de Ed Sheeran Kendrick Lamar. Tanto o Divide quanto o Damn são nomes de peso para a principal categoria da premiação, a de álbum do ano. Ed e Lamar tiveram umexcelente ano de 2017, ambos conseguiram atingir o topo, tanto da parada de álbuns, como da parada de singles dos Estados Unidos e, ainda que teoricamente o Grammy seja um prêmio para reconhecer os melhores trabalhos do ano em termos de qualidade, dificilmente as indicações vão para artistas que não desfrutaram de sucesso comercial.
Ed Sheeran e Kendrick Lamar também deve ser nomes constantes nas categorias de Canção e Gravação do Ano, com Shape of You e Humble, respectivamente. Enquanto o primeiro deve abocanhar mais indicações nas categorias pop, Kendrick deve fazer o mesmo que fez 2 anos atrás, quando foi indicado em todas as categorias dedicadas ao rap.
Com números tão extraordinários quanto, Bruno Mars e The Weeknd também aparecem na linha de frente na briga por indicações com seus álbuns 24k Magic e Starboy. Bruno Mars, entretanto, tem a vantagem de, dentro do período de elegibilidade, ter lançado o single número um That's What I Like, uma das canções mais vendidas e executadas nas rádios neste ano. Já The Weeknd teve um desempenho mais "modesto" com I Feel It Coming (o lead single Starboy foi lançado dentro do prazo para o último Grammy e, pelas regras atuais, não pode receber indicações este ano). Bruno e Abel devem, porém, confundir os jurados em categorias mais específicas: seus álbuns podem ser "muito pop" para a categoria urban conceitual, ou "muito urban conceitual" para as categorias pop.
Em um ano difícil para as mulheres nas paradas de sucesso, Lady Gaga e Lorde devem ser as representantes femininas no Grammy. Gaga viu todos os seus álbuns receberem indicações para a premiação, com exceção do atípico ARTPOP que, não fosse a mudança de regras nas categorias EDM, provavelmente seria nomeado também. Já Lorde teve uma estréia meteórica com o Pure Heroine que, lançado quase no fim do prazo para as submissões, acabou levando alguns prêmios para casa. Sem um smash hit como Royals, as coisas até poderiam ser mais difíceis para Lorde, mas bastou Melodrama chegar nas lojas para que a crítica caísse aos seus pés. Resta saber se os jurados verão a criação da neozelandesa novamente aos olhos do pop, ou aos olhos da música alternativa
Joanne até poderia sonhar com alguma indicação nas categorias country, mas a rigidez dos juradas praticamente zera as chances de alguma nomeação fora do eixo pop. Não é novidade que a maior parte dos jurados da premiação não é formada por jovens e é exatamente este público que foi reapresentado ao furacão Lady Gaga com o Super Bowl. O sucesso do segundo single, Million Reasons, é figura praticamente certa nas categorias de Canção e Gravação do Ano e Performance Vocal Pop. Um pouco de trabalho por parte da cantora e da Interscope e Hey Girl, parceria com Florence Welch, consegue sua indicação na categoria de performance por um duo ou grupo.

ALGUMAS POSSÍVEIS SURPRESAS

Drake fez um sucesso estrondoso em 2016. Recebeu, entre indicações do álbum Views e de parcerias, oito nomeações ao último Grammy. Entretanto, acabou levando apenas 2 prêmios para casa. A relação, aliás, entre a premiação e o canadense não parece ser das melhores. Das mais de trinta (!) indicações, o cantou levou apenas três troféus para casa. A playlist More Life poderia ser vista como uma das apostas seguras mas, não fosse a má relação Drake/Grammy, deve sair apenas com migalhas das categorias de rap. Childish Cambino é outro que deve receber algumas migalhas nas mesmas categorias que Drake. Quem também não parece ser bem vista pela premiação mas deve conseguir alguma lembrança no Grammy é Katy Perry. Ainda que possa ter decepcionado nas vendas, com números inferiores ao Prism, uma indicação de Witness ao prêmio de melhor álbum pop não deve ser encarada como impossível. Katy, entretanto, tem uma carta na manga: o videoclipe de Chained to the Rythm, um dos mais populares e influentes lançamentos visuais do ano. Será que Oblivia dará o primeiro prêmio para a cantora?
Vencedores do último Grammy o duo The Chainsmokers deve surfar na onda do Codplay e abocanhar algumas indicações por Something Just Like This. Seu apedrejado álbum de estréia pode até receber alguma atenção, mas raramente trabalhos tão criticados conseguem a redenção com a acadêmia. Quem deve fazer sua estréia na premiação e se redimir com o Grammy após anos de esnobação ao One Direction é Harry Styles. Seu elogiado álbum de estréia remou contra a maré dos lançamentos de ex-integrantes de boybands e parece ser mais influente que o de Zayn. Não tomem por surpresa se o nome de Harry aparecer entre os indicados a Best New Artist, ou se Sign of the Times puder ser visto em alguma categoria pop.
David Bowie, já morto, foi o ganhador de quatro troféus na ultima edição mas teve o Blackstar ignorado das principais categorias. Com Leonard Cohen pode acontecer o mesmo. Um prêmio provavelmente na categoria de álbum tradicional como forma de agradecimento ao seu legado e nada mais.
Atenção também em Arcade Fire, Imagine Dragons Lana Del Rey que lançarão novos materiais em breve e, se bem recebidos pelo público e pela crítica, podem tornar-se algum tipo de possível surpresa com o Grammy.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.